O PROJETO



O Projeto Piloto é um programa de acompanhamento crítico e curatorial,
 realiza consultorias personalizadas para galerias, espaços culturais e profissionais interessados em curadoria de obras de arte. Coordenado por Ana Lobo, o programa oferece diferentes serviços em encontros presenciais e remotos. 

Durante as consultorias individuais  os  participantes  realizam um percurso investigativo e crítico sobre a própria produção artística, gestão e comunicação dos seus trabalhos .

O acompanhamento crítico é elaborado após a leitura de portfólio ou análise material enviado via e-mail.

Durante as sessões pontuais ou continuadas (plano mensal),  os participantes  podem direcionar seu interesse  a cada um dos seguintes eixos: 

1- Reflexões conceituais sobre propostas artísticas; 
2- Planejamento comunicacional para o circuito de Artes Visuais;
3- Discussões sobre projetos pontuais : editais, residências, abordagem curatorial , ideias para projetos expográficos  etc.

Clique aqui para mais informações. 

 
 

A Projetista

WhatsApp%20Image%202020-01-10%20at%2001.

Ana Lobo

Crítica e curadora independente, é doutora e mestre em Arte e Cultura Contemporâneas com ênfase em História e Crítica da Arte (UERJ), pós-graduada em História da Arte e Arquitetura no Brasil (PUC - Rio) e bacharel em Ciências Sociais (UFJF). Coordena o programa de acompanhamento crítico “Projeto Piloto” desde 2019 e integra a coletiva de pesquisa curatorial Napupila. Foi curadora de Transposição: a convite da Licenciatura em Artes Visuais da UEPG (2021). Desenvolveu o projeto "Uns Sobre os Outros" da artista Thelma Innecco, exposição vencedora do prêmio FUNARTE - 2020 - 2021, a qual também foi curadora. Tendo realizado ainda a curadoria das exposições “Borda”( 2022), “Inner Sanctum" (2021) e “ Especular: Ser Transitória”(2021) na Galeria Modernistas, Rio de Janeiro/ RJ. Publicou críticas reunidas no livro “Terra Incógnita", premiado pela Lei de Incentivo à Cultura Murilo Mendes, em Juiz de Fora/MG (2015). Realizou propostas artísticas selecionadas para a agenda do seminário "Uso Impróprio" (2018), no MAC de Niterói/RJ e para a exposição coletiva "Corpos e Territórios" no Museu da República/RJ (2017). Trabalhou ainda como editora da “Revista Astrolábio” do Instituto de Arte Tear (2015 - 2017) e como assistente de pesquisa curatorial no Museu de Arte do Rio (2015). Foi avaliadora de projetos para a Lei Aldir Blanc pelo Estado de Minas Gerais, Programas Culturais Caixa da Caixa Econômica Federal e para o Ministério da Cultura. Atuou também como produtora em galerias no Rio de Janeiro/Rj.